Música, status: violada

Antigamente eu achava que o mercado paralelo da música era o motivo por haver essa quebra no sentimentalismo que a envolvia. Antigamente esperávamos um CD sair com ansiedade, contando as semanas e meses. Havia fila para adquirir as novidades daquele artista que as pessoas tanto gostavam, existiam fã-clubes, os prêmios musicais tinham evidência. Enfim, tudo isso passou. Mas descobri que o culpado não foi o modelo de consumo ilegal da música – que se tornou de certa maneira o padrão de consumo da mesma na nossa geração – mas sim o formato da música.

Vamos voltar um pouco no tempo. Antes da popularização da internet, em meados da década de 90, existia um Continuar lendo

Anúncios

Sobre música ‘digital’ e sua legalidade

A distribuição de música ao redor do globo sempre gerou muita receita. A venda de CDs, DVDs, ingressos e produtos relacionados movimenta bilhões de reais ao ano. Porém existe peculiaridades dentro desse mercado que atraem nossa atenção, já que somos consumidores de música. E um dos fatores que afetou a venda de músicas em sua totalidade foi o advento da internet. Através dos anos foram desenvolvidos sistemas e modelos de consumo que permitiam ao usuário o consumo de música de modo amplo, sem as restrições que o mundo físico apresenta. O download ilegal de músicas (a vertente mais forte) foi o principal. Ele abalou as estruturas dessa modalidade de comércio. Até hoje bilhões são perdidos anualmente com os arquivos copiados indevidamente. Mas existem opções para aqueles que se preocupam com o consumo digital de música sem ferir as leis autorais. Porque, querendo ou não, traficar música como fazemos é Continuar lendo

Track #1 | Fisher Price My First Friends

Existem músicas que falam por si só. E essa, do Casey Jones, com certeza é uma dessas. Assim que a escutei pela primeira vez fiquei surpreso em ver uma banda falando verdades como essa (a da vida digital atual) de maneira simples e direta, objetiva. Em baixo você pode acompanhar a música original, a tradução e o vídeo. Farei isso mais vezes, trazer músicas avulsas 🙂 Continuar lendo

Música + Fotografia + metrô = …

Metrophones! Faz algumas semanas que venho anunciando essa entrevista, que considero até aqui a mais importante do blog. Há alguns dias atrás conversei com a Rebecca, uma das pessoas que criou o projeto e atual administradora do mesmo. Mas o que seria o Metrophones?

O Metrophones é um projeto que reúne elementos diversos, mas num mesmo lugar comum. Seus criadores tiveram a ideia de desenvolver um projeto que desvendasse o que as pessoas ouviam no metrô, mas não apenas descobrir, e sim divulgar de alguma forma, criando outros laços com essa situação. O resultado foi a criação de um Tumblr e um projeto ambicioso mas simples, que além de destrinchar os fones alheios, também atua como forma de difundir cultura.

Toda semana diversas pessoas são entrevistas no metrô de SP e suas estações. Essas entrevistas consistem em perguntas rápidas sobre o dia-a-dia dessas pessoas, as músicas que eles costumam ouvir e, pra fechar, a pergunta que originou tudo: que música ela está ouvindo naquele momento!

Ah, pra obra ficar completa, o(a) entrevistado(a) é fotografado para que sua imagem, junto de um trecho da música e a mini-entrevista sejam publicados no site do projeto.

Parece algo simples, mas essa forma de unir música com transporte público e fotografia tem repercutido, ganhando até mesmo as páginas de grandes publicações nacionais.

Gostou? Então acompanhe a entrevista que fizemos com Rebecca Raia, que toca o projeto atualmente: Continuar lendo

[pré][pós]ição

Apesar do nome de post meio complicado, vou falar de algo simples hoje: celular.

 

Nessa semana optei por sair do meu plano pós-pago (que usei por uns quatro meses) para voltar para o modo pré-pago. Apesar de parecer uma regressão creio que fiz uma boa escolha. E achei também que seria legal compartilhar isso com vocês leitores…

 

Mudei de operadora (da Claro para a Oi) há uns 4 meses. Nesse tempo fiquei usando um plano da Oi voltado para quem fez a portabilidade (trocar de operadora e manter o número). Apesar de ser um bom plano, e de ter um preço deveras atraente, preferi voltar para o pré-pago por diversos motivos.

O plano tinha como vantagem sua relação custo-benefício (200mb de internet, 60 minutos ‘livres’ + 600 para celulares Oi e fixos de SP, 150 mensagens de texto, 20 mensagens multimídia, tudo por R$50). Pra quem queria ter um plano completo sem gastar muito ele era uma mão na roda. Só que nos últimos dias vieram vários pensamentos na minha mente que juntos me fizeram tomar essa decisão. Alguns deles foram:

 

  • Conectividade excessiva. Ter um aparelho com plano de dados, nos dias de hoje, é um convite para o vício. Nele eu acessava todas minhas redes sociais, emails, e sites em geral de maneira muito corriqueira, como se fosse algo necessário. Apesar de ser uma coisa extremamente útil, me vi como que preso por isso. Trocar de plano pareceu ser uma alternativa rápida para me desconectar um pouco…

  • Preço. Como já disse, o preço desse plano era muito vantajoso. Mas mesmo assim acho que era meio alto para quem não usa demais o celular. No plano pré-pago posso pagar ainda menos e ter outras facilidades…

  • Mensagens e Fixo. As coisas que eu mais uso no celular, depois de internet, são as mensagens de texto e as ligações para telefones fixos de São Paulo. E no plano pós eu não tinha tantas mensagens como gostaria de ter. Só para se ter uma ideia, no pré eu posso ter, mensalmente, algo em torno de 2 mil mensagens, algo incrível pra mim, que usa tanto esse serviço. E posso também falar até 600 minutos com fixos e Oi do meu estado. Perfeito!

  • Wi-fi. Apesar de não ser uma particularidade do plano pré, já que não terei o acesso rápido e instantâneo do meu plano de dados usarei com mais freqüência o wi-fi do meu celular. Com ele poderei me conectar a internet gratuitamente por meio de pontos de acesso públicos, como shoppings, lojas, faculdades, e etc…

 

Enfim, tive que tomar uma posição e mudar de pré para pós.

E vocês, quais planos têm, usam muito o celular, qual o modelo?

Se expressem!

 

Pequenos Assobios

Bem, nos dias de hoje é difícil achar alguém que ainda não tenha ouvido falar no Twitter. Ele virou uma febre, não só entre os jovens e internautas, mas também entre as empresas e órgãos públicos. Mas o que esse serviço tem de tão atrativo?

Antes de mostrar suas características, indicarei um site que conta a história do Twitter, desde sua criação até chegar ao status atual.

Eu, particularmente, não via graça no serviço de microblogging Twitter. Criei uma conta e a abandonei. Aí, depois que vi muitos colegas usando, resolvi criar outro e ‘me jogar’, pra ver no que dava. O que aconteceu foi que acabei pegando um vício nesse serviço e dele tirei muitas vantagens, fazendo até amizades!

Agora vamos aos pontos que fizeram e fazem desse site um fenômeno global: (vale ressaltar que a ordem das características não tem a ver com a importância de cada uma delas):

o símbolo do Twitter...

1- Objetividade: No Twitter o que vale é a objetividade. Quando se digita um texto, é muito fácil se perder e acabar saindo do assunto ou ‘perdendo o fio da meada’. Já no Twitter você tem a obrigatoriedade de ser claro e direto, pois as mensagens não podem passar de 140 caracteres. Isso traz coisas mais concretas e simples, indo direto ao ponto;

2- Convergência Social: Essa característica é a que mais me tem impressionado e feito gostar desse serviço. O Twitter não é apenas uma espécie de blog. Ele agrega recursos de redes sociais e mensageiros instantâneos. Como? Deixe-me mostrar:

a- Rede Social: Ao postar textos no Twitter, eles serão divulgados não apenas em sua ‘página inicial’, mas a todos os seus seguidores. É como se fosse um Orkut ou Facebook, no qual você tem ‘amigos’ que veem suas atualizações e podem opinar e comentar o que você fez. E, através de serviços externos, você também pode postar fotos e vídeos, tornando assim o Twitter uma rede social.

b- Mensageiro instantâneo: Assim como no MSN ou em qualquer outro mensageiro virtual, você pode mandar mensagens curtas a seus amigos. Na página do Twitter existe a opção de falar com seus ‘contatos’ por mensagens privativas, públicas ou indiretas. Você escolhe a maneira que melhor se adequar a sua situação;

c- Blog: Não bastasse essas características, o Twitter também funciona como um blog, no qual você pode postar textos, links, pensamentos e ideias, dicas, e etc…

Dessa forma, Blog + Mensageiro Instantâneo + Redes sociais = Twitter;

3- Alcance Global: Ao entrar no Twitter, você não estará em contato apenas com o povo tupiniquim, mas também com qualquer país do mundo. Por exemplo, você que gosta da ideia de intercâmbio poderá conversar com pessoas de outros países e descobrir como é a cultura daquele ou algo mais que o interesse.

4- Campo de protesto: Recentemente o Twitter foi citado em inúmeras revistas, jornais e programas de TV por seu uso nos protestos contra o governo do Irã. Lá a censura cobre tudo e todos, mas algumas pessoas conseguiram protestar pelo Twitter e seu protesto alcançou o mundo e deu o que falar. Outro fato que chamou a atenção foi o protesto #forasarney, no qual muitos mostraram sua insatisfação com o atual governo federal, tendo essa campanha apoio até mesmo de grandes celebridades brasileiras.

5- Você faz: Outra característica é que você pode publicar ‘bombas’ e ser ‘pioneiro’ na divulgação de notícias. Isso pode ser bom ou ruim. Por isso é necessário bom senso.

6- Uso institucional: O Twitter foi também descoberto por várias empresas e órgãos governamentais. Empresas como Nokia e MRV fazem promoções e dão prêmios aos seus seguidores. E o governo de São Paulo e alguns de seus departamentos, como a CPTM (Companhia de Trens Metropolitanos) e o METRÔ, tem criado ‘perfis’ e divulgado informações sobre obras e eventuais problemas. Além disso, muitos famosos têm usado o Twitter para se aproximar de seus fans, criando assim uma ótima rede.

7- Simplicidade: O Twitter, apesar de tantos recursos, tem um design minimalista, que prega a simplicidade. Seus comandos são todos acessíveis e fáceis de se aprender, e não exige, como diz meu professor, “prática nem habilidade, qualquer criança pode fazer…” [rs].

8- Mobilidade: Ele também pode ser acessado por celulares que rodem Java ou sistemas operacionais (como Symbian ou Windows Mobile). Isso facilita muito, pois você pode acompanhar quem você segue e tuitar mesmo longe do pc.

Enfim, coloquei aqui algumas características que eu reconheci no Twitter. Porém existem muitas outras que não coloquei aqui. Se você ainda não tem Twitter, não fique esperando e faça logo o seu. Tenho certeza que não será perda de tempo. Para criar seu perfil, clique AQUI. Para maiores informações sobre como funciona o Twitter, VEJA no How Stuff Works ou no Terra Tecnologia.

Caso exista alguma característica que esqueci ou que falei errôneamente, comentem! Todos os comentários serão respondidos! Obrigado por visitar-nos ;D

Veja aqui a história do Twitter.

Danilo Soares

TI não é tudo

Um mundo de informações. Assim pode ser classificada a Internet. Desde que ela foi criada e implantada no meio comercial houve uma grande revolução em vários campos do conhecimento. E a grande verdade é que hoje ela está mais do que infiltrada não só no nosso dia-a-dia como também no nosso tempo livre e lazer. Isso com certeza foi bom porque muitas barreiras foram quebradas, como a da distância ou censura. Mas, no cenário atual, vemos um grande problema: a dependência da Internet.

Nos últimos dias refleti bastante sobre o tema. Conversei com pessoas que tinham certo desprendimento da Internet (como a Lorena) e achei o tema deveras interessante. Para completar minha ‘curiosidade’ sobre o assunto li uma matéria no caderno LINK, do Jornal O Estado de São Paulo falando sobre um escritor chamado Nicholas Carr que comprou briga com as gigantes da tecnologia ao afirmar que o TI não é tudo na área empresarial. Essa tese deu o que falar e chamou a atenção das pessoas para o assunto. Ele lançou alguns livros sobre o tema, e eu desejo lê-los. Eles possuem um foco corporativo, mas compartilham da mesma ideia fixa.

O intuito desse post é não só informar aos leitores sobre o tema, mas também alertá-los sobre a aplicação desse conceito em nossas vidas.

O grande fato dessa década é que a Internet tem cegado a maioria da juventude no mundo. Os jovens da atualidade já deixaram há tempos o contato pessoal, o olho no olho, o sentir emoções por conversas virtuais, visualização de vídeos, diversões vazias e egoístas que substituem o sentido natural das coisas. Por favor, não me interpretem mal! Não estou condenando o divertimento virtual. Eu amo jogar no pc, assistir clipes, ler e bater papo…Mas estou dizendo que não podemos fazer disso a nossa vida. Temos que gastar nosso tempo com pessoas!

msn bloks

Um bom meio de perceber se estamos obcecados por tecnologia e informação é analisarmos a freqüência e tempo de uso. Se eu uso todos os dias a Internet e/ou não fico menos do que inúmeras horas conectado, é bom rever meus conceitos. Que tal deixar aquelas janelas do MSN abertas por um passeio ao ar livre? Ou…que tal deixar aquele novo clipe de lado e aproveitar o tempo na companhia dos amigos?

Podem parecer opções toscas e inúteis, mas que expressam o que realmente é a melhor forma de divertimento: a companhia de pessoas. Companhia física, não virtual, visual ou auditiva.

Em poucas palavras, GASTE SEU TEMPO COM PESSOAS!

p.s.: uma das grandes responsáveis por essa inversão de pensamentos e ideias foi Lorena e seus papos altamente instrutivos…hahaha.

Na Minha Estante: Insônia

Bem, esse é um livro que li nesses dias atrás. É um livro bastante interessante e que com grande certeza agradará aos leitores desse blog, pois muitos deles se identificam com a personagem principal.
O nome do livro, como já foi visto, se chama Insônia. É da editora Projeto, de Porto Alegre. Foi escrito por Marcelo Carneiro da Cunha, um jornalista que trabalha com textos, roteiros, Internet e escreve livros.
A temática desse livro é a vida de Cláudia, uma adolescente que tem muitos dilemas. Resumindo, ela é uma jovem moderna, órfã de mãe, mas vive com o pai. Ela almeja ser cientista quando crescer, gostar de bater papo pela Internet e tem dúvidas quando o assunto é namoro. Ela também tem um admirador secreto, que parece ser a pessoa perfeita para ela. De repente ela conhece uma pessoa e a vida dela muda. Vamos agora às opiniões que tive a respeito desse livro, e quais pontos me agradaram ou não.
Para começar, achei o livro extremamente interessante, pois ele foi feito com base na adolescência dos últimos anos. Ele mostra alguns gostos comuns dos adolescentes, como música, Internet e novas amizades. É legal ver ideias tão presentes em nosso dia-a-dia resumidas numa estória magnífica.
O livro, como já foi dito, tem como personagem principal essa tal Cláudia. Ela é uma adolescente de classe média alta, que vive um pouco diferente das colegas. Enquanto suas amigas só pensam em namorar, ir ao shopping e ‘torrar’ dinheiro, ela prefere ficar na dela. Por causa disso ela recebe várias críticas, inclusive do pai, mas nunca muda. Por ter apenas seu pai, ela se sente obrigada a cuidar dele, e faz isso muito bem. Paga todas as contas, resolve problemas que ele não tem tempo para cuidar, prepara as refeições, e tudo mais.
A vida dela vai indo nessa normalidade total até que aparece um admirador secreto. Ele começou a observá-la na rua e quis chegar perto dela, mas pela sua timidez isso foi muito difícil. Para obter esse desejo de falar com ela, ele começou a ‘vasculhar’ a vida dela, tentando encontrar coisas que ela gostava ou que ela tinha interesse. Foi aí que ele descobriu que ela frequentava um chat na Internet, reservado. Aí ele pediu a ajuda de um amigo hacker para conseguir acesso ao Chat. Quando ele entrou, era meio estranho. Não conversava com ninguém, apenas com ela. O povo achava estranho, e ela também. Mas antes disso aconteceu uma coisa que mudou a vida dela.
Foi assim: como o pai dela é engenheiro, ele sempre estava atarefado demais, e tinha que ficar fora de casa quase sempre. Num desses dias ele foi convidado a passar um fim de semana num resort em Florianópolis. Como eles sempre estavam longe um do outro, ele resolveu chamá-la também para ficar com ele nesse resort. Ela pensou um pouco, mas foi.
Chegando lá seu pai teve que resolver muitas coisas, e acabou deixando ela sozinha no resort. Mesmo assim ela andou pelo resort para conhecer o que tinha lá. Nessas andanças ela acabou conhecendo uma tal Andréa, que era bem legal com ela. Pronto, amizade feita! Elas ficaram muito íntimas e adoraram se conhecer.
Depois de conhecer Andréa, a vida de Cláudia muda. Ela tem uma amiga com quem contar, para sair, conversar, e tudo mais. Porém ocorrem algumas coisas no resort nas quais parece que a amizade delas irá se acabar. Será?
Acho melhor parar por aqui…Depois do que eu disse, muitas coisas acontecem; Cláudia começa a conversar com o seu admirador secreto, Andréa conhece alguém, e o pai de Cláudia também (coincidência? Talvez… rs).

Enfim, leia esse livro, pois ele é maravilhoso. Contem o que acharam desse resumo, se já leram o livro ou se irão ler.

Livro: Insônia
Tema: Literatura Infanto/juvenil | Novela
Autor: Marcelo Carneiro da Cunha
Editora: Projeto Ltda.
Trechos: Aqui

Boa Leitura!

Obs: esse resumo ficou meio simples, faltaram muitos detalhes que podem mudar a opinião dos leitores, mas posso garantir que esse livro é ótimo. Ele também tem algumas poesias entre cada capítulo.

Analfabetismo Digital

A cada dia que passa ocorrem mudanças no nosso cotidiano. Vemos a introdução de novas tecnologias fazer parte de nosso dia-a-dia e ocuparem tanto nosso tempo livre como nossos afazeres. Mas mesmo com tantas mudanças, ainda existe um grupo de pessoas que prefere ser avesso a essas novas tecnologias. Até aí tudo bem, mas o problema é quando essas pessoas tentam defender seu ponto de vista e mostrar nosso “erro”, por sua concepção.

Nós sempre atribuíamos isso às pessoas mais velhas, como pessoas da 3ª idade. Mas percebi que muitas pessoas jovens deixam de aproveitar os benefícios da tecnologia para viver suas vidas de um modo mais complicado.

Vamos aos fatos. Eu sempre tive na escola a fama de nerd e viciado em Internet e novas tecnologias. Mas a verdade não era essa. Claro que soa estranho eu falar de mim mesmo, pois todos acharão que eu estou me defendendo. Mas a realidade é que eu nunca fui viciado assim como eles falavam. O que acontecia é que eles tinham uma vida mais afastada dessas coisas e me chamavam assim por eu gostar dessa área do conhecimento. Esse é um dos sinais do analfabetismo digital. As pessoas desconhecem os inúmeros benefícios das tecnologias e por isso taxam os outros com expressões pejorativas. Mas já me acostumei com isso.

Um segundo exemplo ocorreu há poucos dias atrás: eu estava na aula quando um dos meus colegas me pediu uma ajuda. Eu prontamente me disponibilizei. Ele então disse que queria que eu lhe ensinasse como ‘roubar senhas’ de uma determinada rede social. Eu estranhei o porquê dele ter perguntado isso logo para mim. Aí ele explicou: “Eu te perguntei porque sempre que eu entro na Internet você está on-line. Pô, você tem a maior cara de hacker… hahaha”.

Imaginem como fiquei alegre com essa reposta (sem comentários). Aí vocês podem pensar: bem, ele estava correto porque se sempre que ele entra você está on-line, significa que você é mesmo viciado. Sim, você tem razão de pensar isso. Mas a realidade é que os horários em que ele usa batem com os meus. Além disso, meu uso comum de Internet é entre 1h às 2h por dia. Isso descontando os dias que não uso. Isso significa que a afirmação que ele fez estava errada. Como um viciado pode passar tão pouco tempo conectado?

Vemos aí o 2º sinal do analfabetismo digital. As pessoas, por terem pouco conhecimento dessas tecnologias, acham que você é um louco por conta de características inconclusivas.

 

analfabetismo

Mas é claro que tenho culpa nesse assunto… Posso ser considerado um geek ¹, mas no estágio mais inicial possível. Gosto muito de novas tecnologias, interatividade e informação, mas moderadamente. Uso regularmente a Internet, participo de inúmeras redes sociais, tenho acesso à Internet móvel, ouço música digital…Ou seja, características de um geek. Mas ainda assim não concordo com o termo viciado, pois o viciado usa Internet por muito mais tempo, vive o dia inteiro conectado, seja por computador, celular, videogame ou qualquer outro gadget ², além de passar o tempo praticamente inteiro com coisas voltadas para a tecnologia…

Enfim, precisamos rever alguns conceitos e aproveitar melhor a vida. Porque não aproveitamos nosso tempo livre para fazer um supletivo digital? Algumas doses de Twitter, Facebook, MySpace e alguns blogs, por exemplo, podem ser de grande valia para você que fica vidrado na vida real e esquece que os meios digitais são uma fonte de conhecimento e uma forma de lazer.

 

 

¹ Geek é uma expressão idiomática da língua inglesa, uma “gíria” que define pessoas peculiares ou excêntricas obcecadas com tecnologia, eletrônica, jogos eletrônicos ou de tabuleiro etc.

²Gadget (do Inglês: geringonça, dispositivo) é uma gíria tecnológica recente que se refere, genericamente, a um equipamento que tem um propósito e uma função específica, prática e útil no cotidiano.